22 junho 2018

Livros | O homem de giz


A poucos dias de chegarmos a meio do ano consegui terminar o segundo livro de 2018. Por um lado, que saudades dos tempos em que lia mais (gosto muito de ler). Por outro, as desculpas para não ter tempo para ler sou eu que as arranjo. Se vou tendo tempo para ver uma série ou outra ou para me perder em programas televisivos desinteressantes, só não troco esses hobbies por tempo de leitura porque não quero. 

Escolhi este livro como presente de aniversário. O meu pai queria oferecer-me um livro e quando cheguei ao expositor foi este o título e a capa que despertaram a minha atenção. Há livros que escolho com estes impulsos. Não sabia do que falava, nunca tinha lido nada desta autora. Mas quis o livro. 

Não sendo o livro mais empolgante que já li, gostei. É um mistério que se estende ao longo de 30 anos. Entre as memórias de criança e as peças que se vão juntando depois de adultos, descobrem-se segredos bem guardados. Presumimos demais. Devíamos questionar mais. 


21 junho 2018

Baby Report | Não olhar de frente



Não costumo exercer o meu direito de prioridade nas lojas, sobretudo nas caixas de supermercado. Por norma não me sinto tão cansada nem vou a supermercados com muita gente ou grandes carrinhos de compras que me façam ter essa necessidade. Já o fiz, claro, há dias em que estou muito cansada e é um direito que tenho.

Mas o que tenho reparado é na reacção dos restantes clientes quando me aproximo com a minha grande barriga das caixas de pagamento.

Primeiro é o olhar de soslaio e as rezas para que eu não escolha a caixa onde estão. Quase que os oiço a fazer contas à vida a pensar no azar que seria se eu escolhesse precisamente a sua caixa.

Depois, quando vou para a fila, é vê-los firmes de costas para mim, a fazer de conta que nem repararam que têm uma prioritária atrás deles a quem poderiam convidar para passar à frente. E, claro, se olharem para mim eu posso sentir-me mais impelida a pedir para passar à frente, por isso na dúvida é não olhar de frente.      

20 junho 2018

Perguntinha!


Tenho umas Paez que adoro e que têm sido as minhas grandes amigas desde que chegou o calor e que estou com um barrigão!
Mas reparei que na Seaside (possivelmente noutras lojas também) há umas alternativas bem semelhantes.

Alguém sabe se, para além do preço (umas Paez são cerca de 45€ e na Seaside 18€) as diferenças são mesmo significativas ao nível do conforto e da qualidade? Bem sei que a qualidade se paga mas a verdade é que as marcas também pesam no preço...

Alguém me ajuda?

Febre do Mundial



Os meus colegas decidiram fazer apostas sobre os resultados de todos os jogos da fase de grupos no Mundial. Eu não sou nada de apostas (até no euromilhões é raríssimo apostar) mas fiquei ofendida quando percebi que estavam a convidar apenas homens para participar! Eu queria ter a oportunidade de recusar!

E então eles convidaram-nos (mulheres) e lá acabei por participar... fiz as minhas apostas nos 48 jogos em cerca de 3 minutos - não tinha propriamente muito conhecimento para me auxiliar por isso foi um bocadinho à base do Um Do Li Ta.

Ontem estava em 11º (somos 15). Hoje ainda nem vi o estrago que os jogos de ontem fizeram.


19 junho 2018

Baby Report | Tanto amor!

Tenho um grupo de amigas, muito amigas, que vem já do tempo da faculdade. Não sabemos explicar como é que aconteceu esta amizade nem como é que cresce a cada dia que passa sendo nós tão diferentes umas das outras. Mas a verdade é que isto funciona e muito bem! E como a vida tem destas coisas, eu e a D. engravidámos com um mês de diferença e estão para chegar os primeiros rebentos deste grupo: vem aí mais uma geração de amigalhaços!

Quando o grupo soube da boa nova houve logo uma decisão: vamos organizar um baby shower! A regra que nos deram (às grávidas) foi: não se preocupem com nada. Confesso que ainda tentei meter a minha colher e ajudar em alguma coisa mas elas são muito determinadas!

Quando lá cheguei nem queria acreditar no carinho e no amor empregue em tudo! O espaço estava decorado com bandeirolas, moinhos de vento, balões... a mesa com guardanapos coloridos, cupcakes deliciosos e tão bonitos que quase dava pena de comer, enfeites vários... tudo cheio de detalhes amorosos!

Para além das fotografias com acessórios alusivos ao tema, tivemos direito a um jogo que nos arrancou umas boas gargalhadas. Foram sendo reveladas fotografias de bebés e nós tínhamos de adivinhar a quem correspondiam. Se algumas era mais óbvias, outras deram origem a suspeitas bem giras!

E como se não fosse tudo isto mais que suficiente, ainda tivemos direito a um cesto com tantos miminhos tão lindos para os nossos filhotes! Sim... foi nesta altura que desabei e não contive mais as lágrimas. E o problema nestas coisas é mesmo começar porque depois custa fechar a torneira!

Enfim, foi uma tarde que não esquecerei mais. Porque a amizade é das coisas mais bonitas do Mundo. E eu sei que tenho ali uma Família. E que sorte que eu tenho. E que sorte tem o Francisco que já é tão amado por tanta gente de coração tão bom!





18 junho 2018

Contrariando a minha natureza


Não, ainda não perdi a cabeça a comprar imensas coisas para o miúdo. Tenho andado muito contida até... mudanças em mim ou apenas um adiar do inevitável?
Veremos...
/*pinterest hover button~