16 julho 2018

Coisas que se aprendem



No trabalho só temos de ir até onde a nossa responsabilidade obriga. Por vezes, toldados pelo sentido de brio profissional, temos para nós mais preocupações do que as que nos pagam para ter. Normalmente só conduzem à frustração porque também não temos autoridade para resolver essas questões.

Quando passei a delegar para os meus superiores as questões que deviam ser eles a ter como preocupação e que deviam ser eles a resolver, ganhei qualidade de vida, descompliquei o meu trabalho e libertei-me para ser a melhor profissional possível dentro da posição que ocupo na minha organização.

11 julho 2018

Baby Report | Curso pré parto II



Pelo que tenho percebido, não foi só em minha casa que se discutiu sobre se faria sentido fazer ou não este curso. Pelo feedback que tenho tido, há vários casais com a mesma dúvida. Vou dar a minha opinião que vale o que vale.

Eu acho que foi importante para nós fazermos esta preparação. O meu marido, que inicialmente não queria fazer o curso, mudou de opinião e hoje em dia acha que foi a decisão certa e vê a utilidade.
No início do curso, a Enf. Débora disse-nos algumas coisas que resumem bem aquilo que eu também penso e que vou partilhar. Ninguém precisa de um curso para ser pai e mãe. O principal estará sempre no nosso instinto. Mas para além disso, há sempre uma percentagem do processo para a qual nos podemos preparar e tornar a experiência melhor.

Ao nível do parto, por exemplo, acho que foi muito importante ficar a saber melhor quais os sinais do trabalho de parto e como reagir perante cada um. Numa altura em que quanto mais calma ficar e melhor souber reagir à dor antes de poder gritar por drogas melhor, ter uma ideia do que me espera e de formas de melhorar o meu bem estar só podem beneficiar todo o processo e diminuir a ansiedade e o stress. Claro que não sei se no momento em que me aconteça vou conseguir aplicar alguma das coisas que aprendi. Corro o risco de esquecer tudo, correr para o hospital à primeira contracção e entregar-me ao desespero, mas neste momento sinto-me mais confiante e acho que vou conseguir reagir melhor que isso!

Também as noções do pós parto, nomeadamente sobre a amamentação (e as dificuldades que poderei ter), como reagir às cólicas, técnicas para dar banho, cuidar do coto umbilical ou trocar fraldas vão ser muito úteis, certamente! Claro que o miúdo teria as fraldas trocadas e não passaria fome independentemente do curso, mas do nosso ponto de vista, aquilo que aprendemos deu-nos alguma confiança e acho que nos vai ajudar muito desde o primeiro dia. 

10 julho 2018

Baby Report | Curso pré parto I



Esta questão não começou por ser consensual lá por casa: eu queria fazer, o maridão nem por isso. Andei a investigar alguns sítios possíveis para o curso e percebi que há uma grande oferta, desde hospitais a centros dedicados a este tipo de cursos. Para além disso há opções gratuitas, mediante prescrição do médico de família, mas os horários são normalmente mais condicionados, por isso para nós acabaram por não ser uma opção.

Depois de comparar horários, planos e preços, e depois de recolhermos algumas opiniões, acabámos por optar pele Centro Pré e Pós Parto, em Entrecampos. Não podia estar mais feliz com a nossa escolha! Claro que não tenho comparação porque nunca fiz o curso noutro sítio, mas superou as minhas expectativas por isso estou satisfeita!

O CPPP fica em Entrecampos e as instalações são muito acolhedoras. A equipa – todas as pessoas com quem interagi até agora – foram uma simpatia e sempre disponíveis para esclarecer quaisquer questões. Mesmo quando pedi informações sobre o curso enquanto andava a pesquisar os vários centros, foram muito solícitos e fizeram-me chegar toda a informação rapidamente.

O curso divide-se em 7 aulas e há várias modalidades para se frequentar o curso: o formato normal de uma vez por semana ou em modo intensivo que ocupa 3 ou 4 semanas. Por uma questão de horários, nós optámos por fazer o curso em formato intensivo, durante 4 manhãs de Sábado. O preço é independente dos horários escolhidos e os cursos são iguais em termos de conteúdo. Temos sempre uma componente teórica e outra prática, em salas diferentes. Na parte prática, aplicámos técnicas de respiração, exercícios na bola de pilates, massagens (o meu marido queixou-se “então eu estou a pagar e venho aqui fazer-te massagens? Já eu adorei!), banho, trocar fraldas e amamentação.

A inscrição no curso dá acesso a vários conteúdos. Para além do curso em si, orientado por um enfermeiro, temos à disposição dezenas de workshops que detalham alguns temas (ainda não frequentei nenhum mas já tenho alguns temas debaixo de olho), uma semana de aulas de ginástica pós parto (havendo serviço de baby sitting assegurado por uma enfermeira e uma ama). Tem ainda uma Linha SOS 24 horas por dia, consultas de acompanhamento na gravidez e no pós parto – onde podemos fazer o teste do pezinho, pesar o bebé e ter apoio à amamentação - e uma sessão para os avós. 

Fiquei mesmo muito satisfeita com o que usufruí até agora e estou certa que na fase do pós parto continuarei a recorrer ao centro!

09 julho 2018

A despedida


A última catequese deste ano foi a última catequese que dei a este grupo fantástico de miúdos. Foram três anos de partilha, carinho e aprendizagem. Eles aprenderam comigo e eu aprendi com eles. Crescemos juntos e quero acreditar que um bocadinho dos valores que eles levam com eles tiveram o meu contributo.

Fiz o melhor que sabia para que ir à catequese fosse uma experiência boa para eles. Que sentissem a responsabilidade do percurso mas não deixassem de ser crianças a ser crianças. Brincámos, cantámos, conhecemo-nos e criámos relações.

Agora, pelo melhor motivo que podia ter – ser mãe –tomei a decisão de deixar de dar catequese e despeço-me deste grupo tão querido (pais e filhos) com o coração apertado de saudades antecipadas mas cheio de alegria por tê-los tido na minha vida. E, claro, esperança que consigamos manter o contacto e que não seja um “adeus” mas sim um “até já”.
/*pinterest hover button~